Emma Stone Brasil » » Entrevista – Emma Stone e Yorgos Lanthimos têm tudo e nada em comum


29.11.2023

Confira a entrevista traduzida de Emma Stone e o diretor Yorgos Lanthimos para a New York Times:

“Eu sou uma garota do Arizona e ele é um cara de Atenas. Não sei como isso funcionou”, diz ela. Seu último projeto, “Poor Things”, pode ser indicado ao Oscar.

Uma coisa é chorar durante uma apresentação. Emma Stone pode fazer isso. O que ela não quer fazer, e o que acabou fazendo de qualquer maneira, é chorar no meio de uma entrevista.

“Eu sou um grande atriz, o que há de errado comigo?” ela disse, seus olhos se enchendo de lágrimas.

Era meados de novembro em Los Angeles e saímos para almoçar com Yorgos Lanthimos, o diretor grego com quem Stone fez as comédias tortuosas “A Favorita” e agora “Pobres Criaturas”, que ganhou o Leão de Ouro no Festival de Cinema de Veneza em setembro e é considerado um grande candidato ao Oscar quando for lançado em 8 de dezembro. Baseado no romance de Alasdair Gray, “Poor Things” escala Stone como Bella Baxter, que pode ter a história de origem mais ultrajante do ano cinematográfico: Ela se joga de uma ponte e é ressuscitada por um cientista maluco (Willem Dafoe) que troca seu cérebro pelo de seu bebê ainda não nascido.

Stone aproveita bastante a história cômica ao interpretar essa mulher adulta com a mente de uma criança, mas o arco final de Bella é de tirar o fôlego: à medida que ela ganha consciência, embarca em um despertar sexual e político e se esforça pela independência. Esta é uma personagem que significou mais para Stone do que a maioria – “Eu a amo tanto”, ela me disse – embora ela tentasse rir falando, “Poor Things” às vezes a levava às lágrimas.

“Estou cansada, só isso”,disse Stone.

Além de “The Favourite” e “Poor Things”, Lanthimos, de 50 anos, e Stone, de 36, colaboraram no curta-metragem “Bleat”, bem como em “And”, uma antologia de quadrinhos que será lançada no próximo ano. “Obviamente, tenho uma confiança total e intensa nele”, disse ela, “e como atriz, é a melhor sensação de todos os tempos, porque é tão raro que você sinta que, seja o que for que faça, você está protegido pelo seu diretor.”

Lanthimos facilita essa confiança com um longo processo de ensaio que tem mais em comum com a comédia improvisada do que você imagina: os atores recitam suas falas enquanto andam para trás ou fecham os olhos. “Nunca ensaiamos como ‘OK, como você vai fazer essa cena e deixa fluir’”, disse Lanthimos. “É mais uma questão de criar essa atmosfera de camaradagem e diversão, de nos conhecermos para que possamos nos sentir confortáveis em nos ridicularizar.”

Mas com Lanthimos, Stone não teve que abrir mão do timing cômico e da empatia inata que são seus maiores dons como atriz. Em vez disso, ela coloca esses talentos em uso de maneiras novas e ousadas sob o olhar único de seu diretor.

Ainda assim, esta parceria frutífera cria uma dupla incomum pessoalmente: onde Lanthimos é impassível e um homem de poucas palavras, sua protagonista é de olhos arregalados, calorosa e ansiosa para se conectar. Ou, como disse Stone: “Sou uma garota do Arizona e ele é um cara de Atenas. Não sei como isso funcionou, porque nossas personalidades não poderiam ser mais diferentes, mas é incrível.”

Aqui estão trechos editados de nossa conversa.

 

Quando vocês dois se conheceram?

EMMA STONE: Era junho de 2015, num café. Eu estava ensaiando “La La Land” e o encontrei para falar sobre “The Favorite”. Achei que ele seria realmente assustador, mas não foi. Foi uma conversa muito confortável e fácil e nos demos bem imediatamente.

Você pensou que ele poderia ser uma presença mais intimidante?

STONE: Tendo visto os filmes que ele fez até então, sim.

YORGOS LANTHIMOS: Que clichê.

STONE: Eu tinha 26 anos! Eu era apenas uma criança. Mas a partir daí mantivemos contato e nos conhecemos um pouco. Na época em que estávamos fazendo “The Favourite”, tivemos um relacionamento e o início de nossa amizade e, no final das filmagens, começamos a conversar sobre “Poor Things”.

Yorgos, o que estava acontecendo em sua vida quando leu “Poor Things” pela primeira vez?

LANTHIMOS: Eu tinha acabado de me mudar para Londres e comecei a conhecer pessoas sobre projetos em língua inglesa. Foi depois que “Dogtooth” foi indicado ao Oscar e as pessoas começaram a se interessar.

STONE [provocando]: Indicado ao Oscar. Todo mundo estava tipo, “Uau, esse cara é tão legal!”

LANTHIMOS: Mas quando comecei a mostrar “Poor Things” às pessoas, muitas vezes fui rejeitado para o desenvolvimento.

Que razão eles deram?

LANTHIMOS: “É muito estranho, muito estranho.” Naquela época, havia uma noção de: “Ah, vamos conseguir que um cineasta europeu ou não americano faça algo convencional, eles apenas darão seu próprio toque”.

STONE: Isso ainda acontece.

LANTHIMOS: Então isso foi uma grande decepção porque fui muito ingênuo ao conhecer pessoas e elas dizerem: “Oh meu Deus, ‘Dogtooth’ é incrível, queremos fazer coisas com você”. E então eu fiz “The Lobster” e eles diziam: “Oh, não, não, não estamos falando de algo assim. Você não quer fazer algo mais normal?”

Emma, como Yorgos apresentou esse projeto para você?

STONE: Ele me deu uma visão geral de Bella, o que ela passa e o que os homens em sua vida vivenciam como resposta a como ela está evoluindo. E eu disse: “Pode me colocar”. Meu Deus, ela é a melhor personagem que provavelmente interpretarei.

O que há nessa personagem que é tão sedutora?

LANTHIMOS: Ela é diferente de qualquer pessoa.

STONE: Ela está absorvendo o mundo ao seu redor de uma forma tão única e linda que eu simplesmente sonho em poder. Eu a acho tão inspiradora, e viver isso todos os dias durante todo o processo foi simplesmente o maior presente – é a maior alegria que já tive como personagem. Cada pessoa que existe tem tantas coisas que a tornaram o que são na idade adulta, e foi interessante descobrir que se você tirar tudo isso, tudo o que resta é alegria e curiosidade.

Conhecemos Bella quando ela ainda não estava muito madura em sua troca de cérebros: anteriormente era um mulher adulta chamada Victoria Blessington, ela agora é como um bebê adulto, impulsivo e infantil. Como foi incorporar essa fase?

STONE: resistente. Essa foi a fase mais difícil para mim, só porque é onde ela está mais primitiva. Atuar é inerentemente embaraçoso – isso, como trabalho, é simplesmente bobo e você pode se sentir realmente estúpido. Felizmente, com Yorgos, é muito mais libertador e me sinto confiante porque podemos chegar rapidamente a: “Acho que este não está funcionando, vamos para outro lugar”. Além disso, posso chorar com ele se estiver pirando com alguma coisa, o que já aconteceu muitas vezes.

Estamos trabalhando nisso há tantos anos, e realmente colocá-lo em filme é sempre assustador. Acho que as primeiras duas semanas de filmagem são realmente difíceis porque você ainda está encontrando o equilíbrio e o tom do que realmente é na prática, não apenas a ideia. Então, a primeira semana foi realmente desafiadora, simplesmente me entregar e confiar no processo, e acho que você sentiu o mesmo.

LANTHIMOS: Sim.

STONE: Estávamos conversando sobre isso todos os dias e eu pensava: “O que estou fazendo?” Você estava tipo, “Eu não sei”. Nós dois estávamos descobrindo quem ela era.

Como a confiança mútua se estende à forma como você filmou o despertar sexual de Bella?

STONE: Simplifica tudo. Sempre que havia uma cena como essa, havia apenas quatro pessoas na sala, além de qualquer ator que estivesse ali. Havia Yorgos e nosso [diretor de fotografia] Robbie Ryan, que olha para mim como se eu fosse uma lâmpada – ele me viu nua tantas vezes e depois Hayley [Williams, a primeira assistente de direção] e Olga [Abramson], nosso extrator de foco. Esse era o quarto.

LANTHIMOS: Às vezes sem som. Montávamos microfones quando podíamos. Então é muito íntimo.

STONE: E também, uma incrível coordenadora de intimidade [Elle McAlpine]. Estupidamente, no início, eu pensei: “Está tudo bem [sem ter uma], eu conheço você há tantos anos”. E então, quando chegou a hora de realmente fazer todas aquelas cenas, tê-la lá foi tão maravilhoso – ela realmente tornou a energia tão calma e profissional. Mas foi estranho ver o filme porque fazer essas cenas foi uma experiência muito íntima e então eu pensei, “Certo, isso está no filme!”

Mas quero dizer, essa é Bella. Ela não tem vergonha de seu corpo, de sua sexualidade e de quem ela é, e estou muito orgulhosa desse aspecto do filme.

Isso a encoraja a permanecer naquele espaço?

STONE: Ficar nua o tempo todo? Sim. Vou ser nudista agora, estou encorajada!

Eu quis dizer o espaço na cabeça de Bella. Você se sente encorajada quando passa tanto tempo em um personagem livre de vergonha?

STONE: Eu gostaria de poder dizer sim. Isso ficou comigo em alguns aspectos, e se eu pudesse viver como Bella, eu adoraria. É muito difícil quando você tem que lidar com sua própria história, que aparentemente todo mundo tem, exceto ela. Mas eu a acho tão inspiradora em geral que estou sempre tentando pensar se poderia ser um pouco mais parecida com ela.

Yorgos, você atuou no filme grego “Attenberg” no início de sua carreira, o que exigia que você participasse de algumas cenas de sexo. Isso lhe deu uma perspectiva única sobre como dirigi-los?

LANTHIMOS: Para mim, esse aspecto nunca foi um problema. Sexo em filmes ou nudez – nunca entendi o pudor que envolve isso. Sempre me deixa louco como as pessoas liberais são em relação à violência e como permitem que menores a experimentem de qualquer forma, e então somos tão pudicos em relação à sexualidade. Para mim, o que era difícil em ser ator era que havia muita espera, e é por isso que, quando faço filmes, tento ter o mínimo de coisas possível: sem luzes, sem equipamento, sem nada. Ninguém vai a lugar nenhum, ninguém sai. Não há tempo para fumar um cigarro, porque simplesmente seguimos em frente.

STONE: É por isso que você precisa mudar para o cigarro eletrônico.

Emma, você quer algo diferente em seus projetos agora do que quando tinha 20 anos?

STONE: Espero que quando se trata de projetos ou personagens seja sempre uma surpresa e um pouco assustador. Mas também, quão assustador pode ser? É atuar, não estou salvando nenhuma vida. É uma sorte poder fazer isso, então sentar aqui como atriz e pensar: “Isso foi tão difícil” é uma loucura.

LANTHIMOS: Eu também penso nisso. “Oh, estou fazendo filmes, o que há de tão incrivelmente difícil nisso?” Mas eu estou passando por momentos horríveis. O estresse.

STONE: Ele fica realmente infeliz enquanto filmamos.

LANTHIMOS: Sim, é uma loucura. É imenso.

E não desapareceu com o tempo?

STONE: Piorou.

LANTHIMOS: Você tenta racionalizar: “Por que você está tão chateado? Isto é um filme.” Claro, quando você compara isso com outras coisas que estão acontecendo no mundo, é ridículo. Mas para você, naquele momento, é tudo.

STONE: Além disso, muitas vezes você está no set. Você está longe de sua vida real, entre aspas, trabalha tantas horas por dia e isso é muito desgastante.

Então, como foi chegar ao fim de um projeto que consumia tudo como “Poor Things”?

STONE: Eu estava uma bagunça. Oh meu Deus, fiquei arrasada. Não consegui nem passar pelas cenas que estávamos filmando no último dia porque eu estava chorando muito.

Você não queria deixar ir?

STONE: Eu queria terminar porque estávamos exaustos, mas eu realmente não queria terminar. Foi uma experiência tão importante para mim que fico triste agora de pensar nisso.

LANTHIMOS: O último dia foi no estúdio e fizemos ela pulando da ponte.

STONE: Estou ficando chorosa. Sinto muito, isso é tão estúpido. Bizarro. Naquele último dia, dei o salto que Victoria dá da ponte quando está grávida e fiquei muito emocionada. Você pode imaginar, se eu estiver sentada aqui anos depois, assim!

Eu disse a Hayley, nossa AD: “Oh meu Deus, isso é tão triste. Estou cometendo um suicídio e é o fim do filme depois de toda essa experiência alegre.” E ela disse: “Não, este é o nascimento de Bella”. Eu estava tipo, “É o nascimento de Bella! Porque a partida de Victoria é o nascimento de Bella.” É tão bom terminar isso.

[Enxugando os olhos.] Sim. De qualquer forma, foi legal. Nada demais. Filme divertido, nos divertimos, era só um contracheque.

Confira todas as fotos clicando aqui.


Anuncio

Emma Stone no jantar privado da Louis Vuitton no hotel Ritz em Paris, França, na quinta-feira (8). pic.twitter.com/q9L3MsaXzy

Cerca de um ano atrás from Emma Stone Brasil's Twitter via Twitter Web App



TCFYCLA_1.jpg
MFCFF24P_1.jpg
77CFFKOK_1792.jpg
77CFFKOK_1790.jpg
77CFFKOK_1791.jpg
77CFFKOK_1789.jpg
MFCFF24_1.jpg
últimas fotos enviadas
layout criado por flávia - Emma Stone Brasil