Emma Stone Brasil » » Entrevista – Poor Things para a Total Film


17.08.2023

A Total Film acaba de divulgar novos detalhes sobre o novo filme de Emma Stone, Poor Things, dirigido por Yorgos Lanthimos, confira abaixo:

É junho de 2023 (antes da greve dos atores), e a Total Film está conectado a uma rede online com Lanthimos e Emma Stone. Stone mal começou a responder as perguntas quando sua atenção é levada para outro lugar. ‘Ah não, você está conseguindo o número de rastreio? você não desligou isso?’ ela pergunta, enquanto Lanthimos muda seu assento e na webcam da o zoom automaticamente para ele. ‘Eu não descobri como desligar isso’ ele sorri, para a diversão de Stone.

Todos nós ligamos hoje – Lanthimos da Grécia, Stone da cidade de Nova York, TF de Londres – para discutir sua parceria criativa cada vez mais frutífera, que começou com The Favorite de 2018 e tem crescido como uma bola de neve desde então.

Embora antes que possamos saber mais da sua profunda parceria, aquela câmera está causando mais caos. “Deus, todo-poderoso”, diz Stone, distraída novamente. ‘Fique de pé. Veja o que acontece.’ Lanthimos obedece e a câmera o segue. ‘Devíamos fazer um filme inteiro com isso’ sugere Stone, vestindo uma camisa preta casual, cabelo loiro preso atrás das orelhas. Depois de A Favorita – para a qual Lanthimos, Stone e o filme foram todos indicados ao Oscar – eles se reuniram para um curta-metragem, Bleat, e então o próximo período sci-fi-drama-comédia-estranheza Poor Things.

Stone também é produtora de Poor Things, e tem discutido o filme com Lanthimos desde antes da pandemia. “É tipo estar com nervo à flor da pele, mais do que qualquer coisa de que já fiz parte’, diz Stone. ‘Eu me importo muito com filmes, mas este parece outro nível de vulnerabilidade e amor e cuidado. Parece muito precioso para mim.’ Enquanto sua criação se prepara para estrear para o mundo, certamente não será o último que Stone e Lanthimos colaboram. ‘Não era necessariamente óbvio, o cara da Grécia conhecendo essa atriz americana’, ri Lanthimos. ‘É uma dessas coisas onde é uma ocorrência única na vida. Você conhece alguém com quem você só quer fazer as coisas.’

Vocês estavam familiarizados com o trabalho um do outro antes de The Favourite?
Yorgos Lanthimos: Acho que é uma pergunta mais interessante para você. Eu tinha assistido Easy A, com certeza. [risos]
Emma Stone: Você assistiu Easy A? Dúvido.
YL: Claro! O que você quer dizer?
ES: Foi um grande sucesso em Atenas?
YL: Foi. Em todos os lugares. Ao redor do mundo.
ES: Na verdade, eu não tinha visto nenhum dos filmes de Yorgos – não é surpreendente, não sou muito boa em assistir filmes – antes de eu ter ouvido falar de A Favorita. Ele tinha acabado de passar por Cannes com The Lobster, eu acho, e eu te conheci no mês seguinte. Eles enviaram exibição de The Lobster para mim – eu não acho que ele estava realmente pensando muito em mim para A Favorita, certo? Eu meio que tive que lutar.
YL: Não, isso não é verdade.
ES: OK [risos]. E então eu assisti Dogtooth… Agora eu vi todos os seus filmes múltiplas vezes. Eu tive uma rápida introdução ao mundo de Yorgos. E ele tinha visto Easy A pelo menos cinco ou seis vezes nesse ponto [risos].

Vocês dois se deram bem logo de cara quando vocês se conheceram para A favorita?
ES: Acho que sim.
YL: Sim, acho que desde que nos conhecemos. Demorou um pouco, até que acabamos filmando A Favorita. Enquanto isso, mantivemos contato e nos conhecemos um pouco. E nos conhecemos muito bem durante A Favorita, é claro. Nós começamos a ficar muito próximos, e começamos a discutir outras coisas que queríamos fazer juntos. Tem se progredido desde então.

O que havia um no outro que você se conectou e gostou de trabalhar?
ES: Adorei os mundos que ele criou. Ao ver seus filmes, encontrei sua perspectiva realmente interessante, e nada que eu já tinha visto antes. Quero dizer, agora que vi mais filmes – porque, você sabe, eu estou realmente tentando – Eu entendo que existem outros cineastas que também têm mundos interessantes que criaram [risos].
YL: Eu apenas a peguei desprevenida. Ela não tinha visto nada…
ES: Você acabou de me pegar desprevenida, porque eu só assisti Legalmente Loira 15 vezes [risos]. Acho que, originalmente, eu estava nervosa para conhecê-lo depois de ver Dogtooth, porque eu estava tipo, ‘Esse homem vai ser um merda doentio.’ E então eu o conheci, e ele era tão caloroso e gentil e engraçado, e tão fácil de se dar bem com ele. Esse é exatamente meu sonho, porque eu gosto de me divertir, e gosto de fazer merda por ai, e não levar as coisas muito a sério. Acho que ele é mais sério do que eu. Ou eu sou mais ansiosa que você [risos]. Ele não explica demais. Ele não quer falar muito sobre tudo isso. E eu amo isso. eu acho que foi um ganho para mim. E tenho uma quantidade tão imensa de respeito e confiança nele, que eu sei que vai funcionar. E isso é um grande alívio para um ator. Então é isso para mim. Qual é a sua resposta?
YL: [risos] Então, sim, eu tinha visto muitos trabalhos dela. Para mim, muitas vezes, é instinto, e apenas estar interessado em alguém, e depois conhecê-los. É muito importante para mim me dar bem. Emma era uma dessas pessoas, quando nos conhecemos nos demos bem e quando nós fizemos A favorita. Foi ótimo. A conversa não parou desde então. Sempre que terminamos algo, é tipo, ‘E ai? O que queremos fazer a seguir?’.

Emma, o que havia em Poor Things que despertou sua imaginação quando Yorgos compartilhou o interesse dele com você?
ES: Tudo sobre isso. O fato de que foi ele me contando sobre isso foi surreal. A forma como ele explicou o história para mim, a personagem e o tudo o que ela está passando… Sua mente aberta, e sua falta de julgamento, e sua falta de vergonha de si mesma e dos outros – foi realmente inspirador, desde o começo. E isso só cresceu.

Como foi sua colaboração quando decidiram sobre a aparência de Bella?
YL: Como estávamos pesquisando o filme desde o início – desde o design de produção, tivemos ideias e imagens para ela. Para imaginar o mundo, e construí-lo, e projetá-lo, você tinha que ter uma ideia de como ela era e como eram os outros personagens.
Então começou muito cedo, mas foi evoluindo, porque então há as características de todos, de Emma para cabelo e maquiagem, figurino, o roteiro, nossas ideias. Eu acho que é uma complexa jornada para levá-la onde ela estava. Qual é a sua memória?
ES: Bem, eu lembro que pintei meu cabelo muito escuro e nós tivemos que seguir com isso [risos].
YL: Isso foi uma ideia, que ela estaria quase à frente de seu tempo – uma espécie de reacionária. Mas infantil e natural, e todas essas coisas. Então pensamos: ‘Seria uma ótima ideia pintar o cabelo dela de escuro.’ Mas então Emma foi em frente com isso e eu fiquei tipo, ‘Tudo bem.’ [risos]
ES: Ele foi ficando escuro e escuro e foi tipo, ‘Droga. Tudo bem.’ [risos] Preto.
YL: Ficou deslumbrante por ela ser muito branca.

É um filme muito feminista. Como foi as discussões sobre isso?
YL: Acho que não discutimos isso. Foi meio que óbvio que estava lá. Não era como, ‘Vamos lá e fazer um filme feminista.’ Além disso, estou relutante em dizer que fiz um filme feminista. É o meu ponto de vista, então é masculino, e [Tony McNamara, roteirista] é homem, e o autor original é do sexo masculino. E então nós temos a principal que é Emma, e então torna-se uma
visão complexa sobre este assunto, e este mundo. Para nós, é mais instintivo, e são as ideias, a situação e a história que são de
interesse para nós… Queremos manter isso aberto, e não reduzi-lo a uma ideia específica.
ES: Além disso, o fato de ter sido escrito por um homem, quase parecia uma espécie de dissecação de diferentes tipos de homens. Há todas esses diferentes versões de homens arquetípicos no filme. O mundo dela não gira em torno desses homens. Esses homens, de certa forma, meio que giram em torno dela, porque eles não podem acreditar que ela existiria dessa maneira, e sua sede é por experiência, e pelo conhecimento, e por crescer. Em termos de um personagem sendo escrito por um homem – ou uma história feminista – eu acho que Bella poderia ter sido uma personagem masculina, provavelmente. Estou feliz que ela era uma personagem feminina, mas ela é tão específica e única em todos os sentidos. Eu nem sei se o gênero dela realmente importa, porque ela não se atribui para o que é ser uma mulher em 1800 na Inglaterra, ou viajando. Ela vive completamente por seus próprios termos. O que eu acho que é o feminismo, certo? É assim que deve ser. Para poder ser completamente como somos, sem caixas sociais.

O sexo é uma parte integrante da personagem e da história.O filme pede bastante em termos de cenas de sexo e nudez. Como vocês dois abordaram isso ao lado da produção?
YL: Para mim, pessoalmente, sexo ou qualquer outra atividade não é particularmente difícil de entender no filme ou contar histórias ou de qualquer outra forma. Pra mim não foi uma questão tão marcante. Mas tendo trabalhado com muita gente, eu entendo que existe uma espécie de intimidação e é porque somos pessoas reais. Estamos expostos de uma certa maneira.
Então eu entendo esse aspecto disso. Mas minha ideia era, ela precisa ser apresentada da mesma forma que qualquer outra coisa é apresentada. Nós só precisamos ser, você sabe, sincero sobre isso, e não se esquive disso, especialmente nesta história, onde muito disso é sobre: sua liberdade de expressar-se de todas as formas.
ES: Bella não tem vergonha. Ela não sabe ter vergonha de um corpo nu ou sexo, da mesma forma que ela enfia uma tonelada de tortas em sua boca, ou fica bêbada e adormece, e tem todas essas experiências. Ela quer viver ao máximo. E o sexo, para ela, faz parte disso.
YL: Ou dançando.
ES: Ou dançar. Há tantas diferentes facetas dela que ela quer experimentar o máximo. Então ela aprende isso enquanto ela cresce. Mas quando se trata de nudez, Bella não foge disso, ela está livre. Além disso, eu acho, que quando Yorgos filma alguma nudez, no sentido de que, para mim, como alguém que viveu uma vida muito “puritana” durante a maior parte da minha vida, não acho a nudez em seus filmes gratuita. Acho um pouco clínico, às vezes desanimador e geralmente muito engraçado. Então não parece com essas fotos maliciosas que são como, ‘Ooh, olhe para este corpo’. Geralmente está dentro do contexto de algo que é um pouco mais seco ou clínico ou engraçado. Então isso pareceu certo para mim. Eu também tenho que comentar sobre Elle McAlpine, porque ela era incrível. nossa diretora do sexo. Eu me senti confortável com Yorgos. Eu me senti confortável com Robbie, e Hayley, é a pessoa mais doce que você já conheceu, e Olga [Abramson]. Estas são as únicas pessoas que estavam no
quarto comigo para essas cenas de nudez. Ou eu era com Mark [Ruffalo], que é tão amoroso. Então eu me senti muito confortável e pensei: ‘Acho que Eu vou ficar bem. Acho que vou ficar bem. Eu não vou precisar conversar tanto com diretora de sexo. Eu não poderia estar mais errada. Ela era tão essencial para eu me sentir confortável. Ela era tão gentil e apaixonada. Ela era simplesmente incrível e tão útil em todo esse processo. Realmente me fez entender que diretoras de sexo são realmente bons no que fazem. Isto mudou toda a energia, e a sensação de segurança. Ela foi uma parte incrível, também, dessas cenas.

O que você pode falar sobre AND, este outrofilme que você já terminou?
YL: Bem, o que podemos dizer? são três diferentes histórias e você vê uma após a outra. Há um bando de atores que basicamente interpretam diferentes papéis nas diferentes histórias. Então cada ator desempenha três papéis diferentes neste filme. É um
história contemporânea – porque são três. É sobre isso. Nós começamos a editar. Ainda estamos colocando o acabamento em Poor Things, então a edição de AND foi adiada, mas agora estamos realmente descobrindo o que ele realmente é. Porque você nunca sabe realmente como é um filme, até que esteja feito, o que quer tiver que ser.

Como foi fazer AND para você,Emma, comparado aos filmes anteriores com Yorgos?
ES: Parecia o mesmo, de várias maneiras. Quero dizer, foi difícil fazer três personagens diferentes – para todos nós, fazer três
personagens diferentes para três histórias diferentes.
YL: Em um curto período também.
ES: Sim, foram cerca de três semanas. Então fazer três tipos de curtas-metragens. Mas não, foi ótimo.
YL: Basicamente, foi como fazer três filmes de vai e volta.
ES: Foi. Eles são longos. Mas apenas estamos começando a trabalhar juntos novamente e, novamente, realmente muda muito quando você trabalhou com esta pessoa, ou estas pessoas, várias vezes, porque a taquigrafia e a facilidade disso é tanta que você sente vontade em entrar em todos esses mundos diferentes e na verdade, não parece tão diferente. Parece um espaço seguro para fazer besteiras, e para brincar e explorar as coisas, e então também ser capaz de tomar uma bebida juntos no final do dia e se sentir próximos. Como você disse, é uma vez na vida. É incrivelmente raro. Espero que eles nos deixem continuar fazendo essas coisas.

Poor Things (Pobres Criaturas) estréia no Brasil no dia 1 de fevereiro de 2023.


Anuncio

Emma Stone no jantar privado da Louis Vuitton no hotel Ritz em Paris, França, na quinta-feira (8). pic.twitter.com/q9L3MsaXzy

Ano passado from Emma Stone Brasil's Twitter via Twitter Web App



77CFFKOKPH_698.jpg
77CFFKOKPH_700.jpg
77CFFKOKPH_699.jpg
VLCCANNES_15.jpg
VLCCANNES_12.jpg
VLCCANNES_14.jpg
VLCCANNES_13.jpg
últimas fotos enviadas
layout criado por flávia - Emma Stone Brasil